BRASIL: ‘No Agronegócio não Existe Essa Questão de Produção Ecologicamente Correta’, diz Coordenador da CPT

Neste relatório é possível perceber também um aumento significativo de todos os dados de conflitos no campo na região Sudeste, regiões que são mais conhecidas por suas cidades…

E é estranho… quer dizer, deveria causar não só uma estranheza, mas uma indignação de nossa parte. O sudeste, tido como a região mais desenvolvida do país, é onde encontramos a maior concentração de conflitos e principalmente trabalho escravo. Não digo que isso é uma aberração, mas é no mínimo um alerta para a sociedade brasileira de que nós não podemos conviver pacificamente com essa situação, com a alta exploração e inclusive com a condição de trabalho escravo nos estados desenvolvidos como São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Acha que isso é um indicador de que nossa produção não está caminhando para uma produção mais ecológica e socialmente justa?

No agronegócio não existe essa questão de uma produção ecologicamente correta e nem justa nas relações trabalho. Ele visa o lucro. Por isso que, nessas regiões onde o agronegócio se consolidou e teve respaldo, inclusive de políticas de governo, consequentemente vamos encontrar o capital mais livre e, por causa da impunidade, nós não encontramos fazendeiros presos porque escravizaram, mesmo isso sendo um crime. Muito menos que perdem seus bens ou que sejam castigos por alguma questão. Essa impunidade no campo é que um dos grandes fatores que continua fomentando e gerando crimes e permitindo a pressão da violência no campo.

Acredita que existe algum caminho para diminuir reverter esse quadro e diminuir os índices de violência no campo?

O caminho é a reforma agrária em primeiro lugar. Reforma agrária, no sentido da desapropriação dos latifúndios, reconhecimento dos territórios tradicionalmente apropriados pelas comunidades, tanto áreas indígenas, como os quilombolas, os territórios dos ribeirinhos. Temos que ter uma regularização fundiária e a desapropriação dos latifúndios. Se isso não ocorrer, os proprietários desse mecanismo vão continuar fazendo com que as terras cumpram um único objetivo: gerar lucro. E não gerar alimento ou um lugar para se viver, mas um lugar para se produzir, produzir lucro.

10 replies

Trackbacks & Pingbacks

  1. arvest bank says:

    … [Trackback]

    […] Here you will find 29848 more Information on that Topic: viaorganica.org/brasil-no-agronegocio/ […]

  2. … [Trackback]

    […] Read More on that Topic: viaorganica.org/brasil-no-agronegocio/ […]

  3. … [Trackback]

    […] There you will find 39948 additional Information to that Topic: viaorganica.org/brasil-no-agronegocio/ […]

  4. … [Trackback]

    […] Find More Info here on that Topic: viaorganica.org/brasil-no-agronegocio/ […]

  5. go says:

    … [Trackback]

    […] Find More Info here on that Topic: viaorganica.org/brasil-no-agronegocio/ […]

  6. … [Trackback]

    […] Read More Info here to that Topic: viaorganica.org/brasil-no-agronegocio/ […]

  7. … [Trackback]

    […] Find More on that Topic: viaorganica.org/brasil-no-agronegocio/ […]

  8. … [Trackback]

    […] Read More to that Topic: viaorganica.org/brasil-no-agronegocio/ […]

  9. … [Trackback]

    […] Here you will find 74129 additional Information on that Topic: viaorganica.org/brasil-no-agronegocio/ […]

  10. … [Trackback]

    […] Information on that Topic: viaorganica.org/brasil-no-agronegocio/ […]

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Leave a Reply